Total de visualizações de página

PLACA NA ESTRADA DE CONCEIÇÃO DA BOA VISTA NAS PROXIMIDADES DO COLINA CLUBE

PLACA  NA ESTRADA DE CONCEIÇÃO DA BOA VISTA NAS PROXIMIDADES DO COLINA CLUBE

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

NATURA & PESSOAS: primeiro CD do Anibal - 2002

video

LONGE DA MIDIA, DENTRO DA ARTE

Finalmente, o primeiro CD de Anibal! Há muitos anos gravando fitas k7 em seu estúdio, ele nos mostra agora este trabalho, també originalmente produzido em sua aparelhagem, masterizado, o seu som pode, enfim, revelar-nos o grande arranjador que Anibal é. São quatorze composições próprias, em que o inspirado cantor e compositor mistura amor, religiosidade, ecologia, guerra, sexo e poesia. E, como em toda arte autêntica, existe, ainda, a indispensável preocupação social. Envolvendo Recreio, Minas, Brasil e Terra, o talentoso artista extrai, de temas tão contraditórios e abrangentes, uma extasiante harmonia. Harmonia esta, cada vez mais ausente no mundo de hoje.
(Juiz de Fora, 13/01/2002- Armindo Torres)

FICHA TÉCNICA
Arranjos e direção musical: Anibal
Voz, teclado e violão: Anibal
Guitarra-solo em "Natura e Poesias": Filipi (filho do Anibal)
Técnico de gravação e produção: Anibal
Gravado e mixado no "MM" STUDIO, Juiz de Fora-MG, nov-dez/2001.
Masterizado no STUD M-19, Recreio-MG, jan/2002
CAPA: desenho da "Cahoeira dos Monos" de Celso Lourenço
ARTE FINAL: Eric Machado

MÚSICAS DO CLIP

MAR DE MORROS

Mar de Morros, mar de amar.
Verdes ondas, céu de puro ar!

Minas dos morros, Minas de amor,
Sinos e catedrais.
Minas de Deus, Nosso Senhor.
És Minas Gerais!

Minas das matas, Minas da flor,
Igrejinhas e cemitérios.
Chico Xavier, disco-voador.
Minas dos mistérios!

Mar de Morros, mar de amar.
Verdes ondas, céu de puro ar!

Folias de Reis, Minas da cor,
Casarões e sobrados!
Minas do Milton, Mineiro-Pau.
Minas dos dobrados!

Minas das minas, moças bonitas,
Urbanas e rurais,
Mulheres de fibra na construção
Das Minas Gerais!

Mar de morros, mar de amar.
Verdes ondas, céu de puro ar!

Minas do ouro, Xica da Silva,
Procissão dos imortais.
De Aleijadinho a Carlos Drummond.
Anjos nos portais!

Minas do hoje, forças contidas
Entre os desiguais.
Minas dos morros, mar de esperança
Das Minas Gerais!
Mar de Morros, mar de esperança
Das Minas Gerasi!
Mar de Morros, mar de amar.
Verdes ondas, céu de puro ar!
Mar de morros, mar de amar!

FALA DO RONALDINHO

E no que há de mais simples,
De mais puro, de mais sutil
Que o artista se inspira.
É num garotinho nu,
Brincando pelas ruas.
É numa peça de roupa no varal.
É numa andorinha pousada no fio.
É numa flor se abrindo
Na imensidade de um campo verde
Que ele se extravasa.
Joga prá fora toda a sua sensibilidade
Em foma de poesias,
Em forma de contos
Ou em forma de músicas.

NATURA E PESSOAS

Natura me cerca,
Fere-me n'alma.
Água cristalina,
Lúcida calma.

Cercam-me pessoas,
Afinam-me o espírito.
Varam-me assim,
O senso crítico.

Natura e pessoas,
Buscam-me forte.
Parceiros do tempo
E da minha sorte.



quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

ALMOÇO DO CASAMENTO DA MINHA FILHA MARIA FERNANDA

video

Recepção realizada no Berthus Aeroporto no dia 20 de junho de 2009, após o casamento religioso da minha filha Maria Fernanda com Edson. Clik o play e aproveite momentos felizes.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

HOMENAGEM A ARISTIDES DORIGO

BANDEIRA DE RECREIO-MG

RECREIENSE DE CORAÇÃO
(25/02/1925-12/12/2010)


Em nove de outubro de 2010 recebi uma carta do Sr. Dorigo me enviando suas ultimas poesias e falando do seu Diário: "estou fazendo um trabalho para compor Meu Diário, que vai ficar para a Eternidade". Mencionou o livro CRONICAS DE UMA NOITE DE VERÃO que está sendo impresso no Rio de Janeiro com previsão para ficar pronto no final de 2010.

"Recreio, 9 10 2010
Meu caríssimo Armando Sérgio:
Saudações fraternas com votos de boa saude, paz e amor, extensivos aos seus familiares. Este trabalho que junto envio-lhe, é fruto desta manhã muito inspirada pela Graça do Pai Eterno(...)".



MAR DE MORROS na Edição 111 - Ano XI - 2010 entrevistou Seu Dorigo. Da entrevista selecionei duas perguntas: uma que fala sobre o Cine Sonho de Criança porque vive este momento e a outra sobre o professor.
"MM - Por falar em cinema, o que foi o Cine Sonho de Criança, em sua vida?
DORIGO - O "Cine Sonho de Criança" foi de fato produto de um sonho quando criança. Em 1945 adquiri um projetor cinematográfico silencioso, com o qual divertia a garotada da minha rua, dando sessões em minha residência. Depois levei a idéia para o Sindicato da Classe, onde era representante, exercendo a função por 10 anos. No Sindicato dos Ferroviários criei uma associação, com a qual adquiria filmes das grandes produtoras do Rio de Janeiro, depois que fui presenteado com um projetor sonoro, pela Administração Inglesa da Ferrovia, que autorizou as Oficinas de Porto Novo a fazer bancos para a sede do Sindicato, para confortar os frequentadores do cinema. Mais tarde (a partir de 1959) o Cinema Sonho de Criança passou a funcionar no Clube Flor da Mocidade e ali permaneceu até 1962. Naquela época eu também atendi com cinema, o Distrito de Conceição da Boa Vista.
MM - E agora, diante dos seus 90 anos, mediante a tudo isso, que conselho daria aos mais jovens?
DORIGO - Penso que o melhor conselho é que os jovens procurem dedicar-se-se mais nos estudos e no trabalho. Nos estudos, respeitar e acatar as recomendações dos professores concendo-lhes todo carinho. E no trabalho, fazer todo o possível para agradar aos empresários, desenvolvendo melhor sua função. Não se descuidar da obediência aos pais e dos princípios democráticos e religiosos(...)"









domingo, 12 de dezembro de 2010

ANÍBAL: Cheiro de Hortelã

video

Voz, Violão e Teclado: Anibal Erneck
Capa: Filipi Machado Werneck de Freitas
CD: Cheiro de Hortelã lançado em 2005
Música Cheiro de Hortelã (Anibal Werneck / Celso Lourenço)
Na coluna "15 minutos de FAMA" do jornal PANORAMA de 15/07/2004 foi publicada a matéria:

"Por amor à música

Um professor quase aposentado que nutre gande amor pela música. Isso resume um pouco de quem é Anibal Weneck, 56 anos, nascido e criado na cidade de Recreio e morador em Juiz de Fora há três anos.
Anibal veio para cá por conta dos filhos, que estudavam na cidade. Mas foi em Recreio que ele se aprimorou na música, escrevendo de 1965 até hoje, aproximadamente 409 composições. Os temas variam do romantismo à "nostalgia da terra" segundo o próprio professor. Ele aborda nas letras nostalgias do lugar onde cresceu e as topografias da Zona da Mata e região de Recreio, apelidada de "mar de morros".
Muitas das músicas foram gravadas em fitas cassete e CDS independentes, por conta de Anibal. Sua ligação com o universo musical jamais atingiu o âmbito profissional, mas nem por isso ele se incomoda.
- Fui desenvolvendo um estilo próprio. Gosto de compor, cantar e tocar violão, sem ninguém exigindo alguma coisa de mim.
Casado, pai de três filhos, Anibal dá aulas de História, mas está nas vias de se aposentar, depois de mais de 30 anos de magistério. Mas da música, ele, certamente, não se aposenta nunca".


CONGONHAS - MG /CONVENTO DOS REDENTORISTAS - 1966


Em 1966 saimos do Convento dos Dominacanos em Juiz de Fora com destino a Congonhas - MG para fazermos palestras para os seminaristas do Seminário Maior dos Redentoristas. Nas fotografias com hábito (batina) branco Frei José Augusto e eu de batina preta. Fico me perguntando se algum seminarista que se encontra na foto é padre hoje. Aguardado contato.

ANIBAL canta "No Café do Sto. Antóin" do seu CD REPERTÓRIO Lua Nua

video

Neste primeiro CD REPERTÓRIO Lua Nua , o recreiense Anibal Werneck de Freitas, lançou em comemoração aos 91 anos do seu pai Antônio Hygino de Freitas e aos 80 de sua mãe Wanda Ferraz Werneck de Freitas. O CD foi lançado em 2006.

NO CAFÉ DO STO. ANTÓIN
(Zé Guimarães e Celso Lourenço)

No Café de Sto. Antóin
Tem cachaça de barril
Tem torresmo e farofa
Pão moiado e tem pernil.

Porque lá não tem café
No Café Sto. Antóin
Porque lá não tem café
No Café Sto. Antóin.
(O quê tem lá, então?)

Tem cigarro mexicano
Pé inchado e pé-de-porco
Vinho Vênus, Catuaba
Tem Martini e Cortezano.

Porque lá não tem café
No Café Sto. Antóin
Porque lá não tem café
No Café Sto. Antóin
(O quê tem lá, então?)

No Café do Sto. Antóin
Nunca falta o que pedir
Se não vá pedir café
No Café do Sto. Antóin.
(O quê tem lá, então?)

Porque lá não tem café
No Café do Sto. Antóin
Porque lá não tem café
No Café do Sto. Antóin.


sábado, 11 de dezembro de 2010

SAUDADE - Lenira Rocha Peres Mercadante

"é a Lenira, a única que leva para tomar sorvete".
Hoje está muito frito! Acordei sentindo saudades de Recreio, dos parentes e amigos. Certa tristeza, também por falta dos telefonemas que recebia de minha sogra Dirce, que hoja não está mais entre nós, pois habita a morada celeste.
Era bom quando o telefone tocava e ouvia sua voz perguntando por cada um. Conversavamos sobre várias cisas da vida. Eu também ligava para ela e assim mantinhamos um contato constante que fazia bem para a alma e para o coração.
No leito sa Santa Casa de Misericórdia, em Juiz de Fora, ela praticamente já estava sem a lucidez. Certo dia, liguei para seu quarto, colocaram o telefone em seu ouvido e ela com dificuldade ouvindo a minha voz balbuciou algumas palavras que diziam "é a Lenira, a única que me leva para tomar sorvete".
De fato, quando íamos a Recreio, eu tinha o costume de passar na sorveteria em frente ao Olavo Bilac e comprar sorvete para nós. Enquanto ia para sua casa soboreava o meu preferido: abacaxi com amor em pedaços. Com passos apressados chegava num instante em sua com seu sorvete preferido: coco. Sentávamos na varanda e ali ficávamos conversando e saboreando os sorvetes. Ela praticamente não saia de casa por causa das pernas que já estavam sem firmesa devido à artrose nos joelhos.
Num dia ensolarado, fazia muito calor em Recreio, levei-a devargazinho e com cuidado até a sorveteria. Lá sentávamos e ficavamos conversando e saboreando os sorvetes. Percebia em seu semblante, nas suas palavras, alegria por ali estar. Compreendi que aquele momento era especial para ela. Como dizedr, a felicidade é feita de pequenas coisas.
No dia de sua partida el já estava na UTI. Algumas horas antes, eu, Armando e nosso filho Cristiano, assistimos a Missa celebrada pelo Pe. Lélis na Capela Nosso Senhor dos Passos, que fica no pátio da Santa Casa. Pedimos a Deus por ela. Lembro-me bem das palavras do Armando: " só pedi a Deus para não deixar minha mãe sofrer".
Voltamos para casa e por volta da meia noite e trinta minutos o telefone tocou. Temerosa atendi: era a enfermeira conunicando seu falecimento. Tinha chegado o momento: ela foi para junto de Deus!.
Entendo que estamos aqui de passagem e que dessa vida nada levaremos, a não ser as obrar que praticamos. Tenho fé que não pertencemos a esse mundo e que um lindo céu nos aguarda. De qualquer maneira, a dor da perda é inevitável.
No livro "Cartas entre Amigos", de Pe. Fábio de Melo e Gabriel Chalita, existe uma passagem onde Gabriel fala dos momentos finais de um amigo querido em um quarto de hospital. Ele perguntou-lhe sobre o fim, e Gabriel não sabia o que dizer. Chegou a contar para ele o que alguns filósofos explicavam sobre a morte, mas o amigo inquieto queria mesmo era saber o que pensava do fim. Gabriel respondeu-lhe que não sabia; que o mistério da partida não tinha sido revelado a homem nenhum. O seu amigo apenas o olhava esperando que algo mais fosse dito. Dentro de poucos instantes ele partiria e queria uma resposta. Gabriel lhe disse que acreditava em Deus e o homem concordou com a cabeça dizendo que também acreditava. Gabriel encheu-se de coragem e disse-lhe: que ficasse tanquilo , pois se Deus existia ele não nos trataria como um brinquedinho, que quando velho e estragado se joga fora, colocando outro no lugar. Fomos feitos para muito mais do que isso. O amigo sorriu, esperando pelo fim ele sorriu. Deus não nos fez para o nada, mas para a plenitude, e a plenitude é complexa demais para que nossa razão possa explicar. E as pálpebras daquele que estava partindo cerrou-se para sempre. Foi-se em paz.
(Artigo publicado em Mar de Morros, Edição 115 - Ano XII - 2010)

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

MEU NETO PEDRO COM SUA PRIMA JULIA E SUA TIA MARIA FERNANDA

video

FOTOGRAFIAS TIRADAS EM JUIZ DE FORA NO DIA 20/06/2009

CASAMENTO DA MINHA FILHA MARIA FERNANDA

video
Clip do casamento de minha filha Maria Fernanda com Edson realizado na Igreja São Sebastião em Juiz de Fora - MG, no dia 20 de junho de 2009 às 10 horas.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

CONCEIÇÃO DA BOA VISTA: curiosidades

"No lugar onde se encontra Conceição da Boa Vista vivia uma tribo de indios. Contam que Antonio Bernardes da Rocha comprou um pedaço de terra dos indios pagando com uma junta de bois e uma mula brava. O lugar inicialmente teve o nome de Arraial das Taquaras. Um dos primeiros grande proprietário de terras, Francisco Antonio dos Santos, depois um dos doadores do patrimonio com três alqueires, Laureano de Carvalho e um tal de Ferreira com um alqueira cada. Anos depois Antonio Bernardes da Rocha doou cinco alqueires. O primeiro padre de Conceição foi Frei Bento e o segundo Pe. João. Pe. João era negro e com ele aconteceu o seguinte incidente, ele foi celebrar uma missa na antiga capela e Antonio Bernardes da Rocha e Antonio J. Tavaes assistiam com camisa de manga e, na época considerado um desrespeito. Ao final da missa, o padre chamou a atenção dos dois dizem que fossem para ver o Imperador ou o Governador da Província eles colocariam a melhor roupa, no entanto, para visitar Deus vinham de camisa de manga. Antonio Bernardes da Rocha ficou furioso e incitou em voz alta o povo a surrar aquele negro pois este era muito atrevido. O Pe. João ficou muito aborrecido com o acontecido e resolveu ir embora. Contam que ao sair do povoado limpou o poeira das botas e disse que o povoado não iria adiante. Pela crendice popular foi um dos motivos porque Conceição apesar de ser mais antigo que Recreio nunca chegou a tornar cidade". (Joaquim Ricardo Machado)












quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

ANIBAL canta Trinco e Porta de Taramela do seu CD CONCEIÇÃO DA BOA VISTA.

Em 2008 Anibal Wernek de Freitas lançou mais um CD com o titulo CONCEIÇÃO DA BOA VISTA onde homenageia Conceição da Boa Vista distrito de Recreio-MG. As doze canções são de sua autoria. A caracteristica fundamental do CD é Voz, Emoção e Violão. Aperte o play e curta a musica Trinco e Porta de Taramela.
video

ARCELINO E ANIBAL: violino, voz, violão e passarinho

video

Gravação feita em 1979 na casa do Celino em Recreio-MG, quando Anibal (voz e violão) acompanhou nosso grande músico que iniciou na Lyra 1º de Maio como saxofonista e, posteriormente, dedicou-se ao violino. Anibal é cantor, compositor e violonista. Em algumas músicas o canário do Celino deu uma "canja" com seu "bel canto". Numa musica Anibal canta com o violão e é acompanhado pelo Celino. Arcelino de Oliveira Simão faleceu em novembro de 2010 aos 95 anos de idade.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

HISTÓRIAS DO TIO JANJÃO: O Gato Peixoto e o Ratinho Tonico e O Porquinho flautista

video

ANIBAL CANTA O HINO DE RECREIO (NÃO OFICIAL)

video

MUSICA: Aníbal Werneck de Freitas
LETRA: Armando Sérgio Mercadante e Lenira Rocha Peres Mercadante

HISTÓRIAS DO TIO JANJÃO - O MACACO QUE FOI REI POR UM DIA

video

"Este famoso programa do rádio brasileiro, um dos poucos aconselhados pela Liga Católica de Moralidade, foi apresentado na Rádio Nacional, primeiramente, às quartas-feiras, com o tempo de apenas 15 minutos no horário da manhã. Na décima apresentação, eram tantos os pedidos, chegaram tantas cartas, que a Direção Geral resolveu apresentá-lo duas vezes por semana, às 17:30, horário mais conveniente para a garotada e até hoje permanece nesse horário. Feito dentro dos mais rígios princípios pedagógicos, o programa "Histórias do Tio Janjão" se tornou, em breve, o líder do seu horário e, mais do que isso, um sadio orientador de nossa infancia e juventude que têm no Tio Janjão, não um mestre carrancudo, mas um admirável amigo. Com quase três dezenas de programas originais, "Histórias do Tio Janjão" teve, recentemente, a unânime consagração das maiores expressões da inteligência brasileira não só de escritores e jornalistas, mas de mestres e professoras especializadas em educação infantil, que recomendaram o programa como precioso auxiliar na educação e formação do caráter das crianças brasileiras". (texto extraido da contra-capa do LP de 10" lançado em 1955 pela LONG PLAY RADIO.
Alvaro Aguiar ( Tio Janjão). Conhecido galã, rádio-ator de grandes méritos, Álvaro Aguiar se identificou de tal maneira dom "Histórias do Tio Janjão" que "dificilmente se encontrará no broadcasting brasileiro alguém que o substitua. E por que? Homem consciente, com grande experiência no trato com as crianças, não faz do rádio apenas um lugar de serviço - atinge as suas altas habiliades - a de ensinar, divertindo; a de difundir sadios ensinamentos, forjar carateres, criar cidadãos úteis a si mesmos e ao Brasil de amanhã. Alvaro Aguiar, côncio de ser Tio Janjão é tarefa agradável, mas dificil, pauta toda sua vida num verdadeiro exemplo de trabalho, de dignidade profissional, de perseverança e de sadio otimismo. Além de suas grandes interpretações no rádio, Alvaro Aguiar, no cinema, trabalhou nos seguintes filmes: "Vidas solidárias", "Asas do Brasil", "O homem que passa", "A inconveniência de ser espôsa", "O noivo de minha mulher", "O dominó negro" e o "Brumas da vida". No teatro, trabalhou com Bibi Ferreira na peça - "Os amores de Sinhazinha", passando-se depois para a companhia teatral Mme. Henriette Morineau, onde atuou nas seguintes peças: "Frenesi", "Mademoiselle", "Elizabeth de Inglaterra" e "Duas mulheres".
Oranice Franco - (Escritor da Histórias). Nasceu em Lima Duarte, MG, onde iniciou o curso primário, estudando, a seguir, em Juiz de Fora e São João del Rei, onde sua família reside. Redator de "A Noite" durante muitos anos, escreveu contos, reportagens e um seção de rádio que se tornou, na época, muito popular assinada como O. Frank. De "A Noite", transferiu-se para a Rádio Nacional. Escreveu três livros de versos "Minha Rua de Minas, em que retrata as cidades, vilas, paisagens e coisas de sua terra. "O Poço da Memória, em que fala do mineiro, sempre ensismesado; e, recentemente, , "Mares de Minas", completando o ciclo da poesia mineira. No rádio escreveu vários programas e novelas, , destacando-se: "Clarice", com Mário Brasini, "Para toda a vida", "A marcha para Deus", novela sobre os extraordinários feitos do Onze R. I., REgimento Tiradentes, na guerra, "O Noivo Meneiras", "As Nvas mil e uma noites", "Alma encantadora das ruas", "O gato de botas", etc. Atualmente (1955) é Chefe de Redação da Rádio Nacional.
Uma curiosidade sobre o programa: os pais escrevism para o programa e o Tio Janjão mandava um recado para as crianças "Olha, fulano, você não está estudando.
Taí colegas de geração. Curtam O MACACO QUE FOI REI POR UM DIA.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

ANIBAL CANTA "AMOR A RECREIO"

video

AMOR A RECREIO
(Aníbal Werneck /Armando e Lenira)

Os fazendeiros da pequena Conceição
Queriam os trilhos numa outra direção
Graças a eles aumentou o povoado
Arraial Novo virou Recreio que bendita decisão.

MINHA RECREIO QUE FIZERAM COM VOCÊ?
POIS DEIXARAM-NA DORMIR TANTO TEMPO
ARREBENTE AS CORRENTES CATIVAS
E RESSURJA FORTE E INDEPENDENTE
(ESTRIBILHO)

Dos oleiros vasos para as violetas
Dos maestros os famosos dobrados
Do carnaval os Lordes e os Baetas
Dos pedreiros majestosos a construção dos sobrados.

Hoje a saudade de uma época divina
Rola nos trilhos de ferro da Leopoldina
Dizem que foi o progresso o culpado
Sonho mesmo com a volta dos trens é o meu recado.

Minha Recreio que recebe tanta gente
Acolhendo-a em seu seio muito ardente
Esta toada vou cantando com amor
E mostrando porque sou recreiense sim senhor.


RADIONOVELA EM BUSCA DA FELICIDADE


























Em Busca da Felicidade foi a primeira radio novela produzida no Brasil. Foi ao ar, pela Radio Nacional do Rio de Janeiro, em 05 de junho de 1941. Era irradiada às 10:30 horas nas segundas, quartas e sextas. abaixo o elenco:

ARCELINO DE OLIVEIRA SIMÃO

video
Celino executando no violino o grande sucesso EL RELOJ acompanhado por Anibal no violão. Gravação feita em 1979, em Recreio, eu sua casa. Vale a pena conferir.

sábado, 4 de dezembro de 2010

ULTIMO RETRATO DA MAMÃE

Mamãe tinha o hábito de ficar sentada em frente da nossa casa em Recreio na parte da manhã. Ocupava seu tempo conversando com as pessoas. No dia 29 de novembro de 2010 completaria oitenta e oito anos de vida. Faleceu no dia sete de novembro e foi sepultada no dia oito Dia das Mães.