Total de visualizações de página

PLACA NA ESTRADA DE CONCEIÇÃO DA BOA VISTA NAS PROXIMIDADES DO COLINA CLUBE

PLACA  NA ESTRADA DE CONCEIÇÃO DA BOA VISTA NAS PROXIMIDADES DO COLINA CLUBE

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

A MATERNIDADE TEREZINHA DE JESUS

Como meus dois primeiros filhos nasceram na antiga Maternidade Terezinha de Jesus no bairro São Mateus em Juiz de Fora-MG, resolvi postar o artigo escrito por Márcia Martins no Diário Mercantil. Não tenho informações do dia e ano em que foi publicado.

A HISTÓRIA DE UMA MATERNIDADE

Primeiro de dezembro de 1925. No salão nobre da Escola de Pharmacia e Odontologia eram 19h30m , quando um grupo de 15 homens se reuniu em sessão presidida pelo Monsenhor Doutor Domicio Nardy. Estava fundada a Maternidade Santa Terezinha de Jesus para atender à mãe pobre.
Neste mesmo ano o livro de ata registrava: "Os senhores da sociedade se dividiram em comissões para angariar donativos para a Fundação e conseguiram donativos que já sobem a 20 contos de réis. Esta determinação da comunidade de levar em frente a obra filantrópica permitira que no mês seguinte, já em janeiro de 1927, fosse instalada a Maternidade no prédio número 914 da Avenida 15 de Novembro (Getúlio Vargas)".
À inauguração estiveram presentes o doutor João Penido Filho, representando o Presidente do Estado Antônio Carlos Ribeiro e demais autoridades da Comarca.. A benção das instalações, pré-requisito indispensável para o funcionamento da maternidade, foi dada por Dom Justino José de Santana.
A Maternidade Terezinha de Jesus foi criada e mantida unicamente com donativos do povo, e colhidos de casa em casa. Augusto Gonçalves da Silva, um dos fundadores foi uma figura folclorica que ia de casa em casa pedindo ajuda para manter o estabelecimento. Durante muitos anos foi ele quem registrou todas as crianças nascidas na Maternidade.
A primeira paciente foi internada já na primeira semana de funcionamento. Era uma mãe solteira, de 19 anos que entrou no dia oito tendo alta somente no dia 24. A criança foi batizada com o nome de Therezinha de Jesus.
1928 - "No dia dois de outubro foi realizada a Festa das Rosas em benefício desta maternidade. Numerosas moças de nossa sociedade percorreram as ruas da cidade vendendo rosas".
Três mais tarde a Maternidade foi transferida para sede própria, inaugurada em setembro de 1931 na Rua São Mateus, 476. O prédio foi doado pelo governo do Estado de Minas Gerais. Era a antiga escola de São Matheus reformada e adaptada às exigências da Maternidade.
Até aquele ano já haviam sido registradas 443 internações. O hospital atendia a pacientes de ginecologia e obstetricia, sendo que na primeira especialiade foram atendidas apenas 26. O corpo médico, cirúrgico era composto por Dirceu de Andrade, falecido ha pouco tempo e Olavo Lustosa (homenageado há meses atrás pelos seus 50 anos de profissão).
Na sede de São Matheus foram realizadas 72 mil e 247 internações com 64 mil e 515 partos, o que representa um quinto da população atual de Juiz de Fora.
Em 1955 o livro de ata voltava a registrar: "Este ano a Maternidade construiu um galpão anexo onde instalou uma Lavanderia Elétrica. Este conjunto foi alugado a Obra Social "Nossa Casa" mais tarde, "Santa Mônica", destinada a amparar mães solteiras. A obra foi fundada por Marilia Teixeira Leite de Andrade mãe do atual diretor da Maternidade, Amaury Andrade".
Vale citar aqui, as 15 figuras que lideraram a criação da Maternidade: José Procópio Teixeira, Senador José Luiz do Couto e Silva (falecido), Edgard Quinet de Andrade Santos (falecido), Coronel Antonio Caetano de Andrade (avô do atual diretor), Augusto Gonçalves da Silva, José Dirceu de Andrade (falecido) e o secretário da sessão Renato de Andrade Santos. O Coronel Alfredo de Souza Bastos, José Bernardino Alves, João Bernardino Alves, Augusto Botelho Junqueira, Renato de Andrade Santos, Coronel José Rafael de Souza Antunes , Adhemar Rezende de Andrade (ex-prefeito) e Novantino Alves, eleito recentemente membro da Academia Mineira de Medicina.
Depois de instalada em São Mateus a Maternidade se expandiu adquirindo áreas anexas, como na esquina da Padre Café onde funcionou durante algum tempo um Lactário e ultimamente funcionava a Avenfam - que promove o controle familiar - além do terreno na Avenida Independência onde passou a funcionaar no dia oito de janeiro de 78.
A antiga Maternidade já não atendia às nossas necessidades comenta o diretor Amaury de Andrade. A rede física (2.250 metros quadrados de área) não comportava a expansão com o aumento anual de 500 pacientes. O prédio à Rua São Mateus começou a ser demolido para aproveitamento do material que será vendido para ajudar, no pagamento do novo edifício - cinco mil metros de área construída, com 14 mil metros de terreno. Agora o terreno éeo que restou do prédio aguardam uma solução.
A construção da atual Maternidade já dispensou, no entanto, a participação de donativos do povo. Foi possível através de recursos próprios. O estabelecimento vive hoje do faturamento das classes particulares que permite o atendimento aos indigentes (pessoas que não possuem instituto).
A Abenfam continua funcionando no prédio novo e a Casa da Mãe Solteira "Obra Santa Mônica" também não será extinta. É uma entidade que lava parte da roupa da Maternidade, sendo as internações atendidas nomalmente na época do parto.

sábado, 5 de dezembro de 2009